Como usar organizadores corretamente

Aprenda a comprar e usar corretamente os organizadores mais comuns (caixas, cestas e aramados), economize grana e organize melhor sua casa!

Um dos erros mais comuns quando estamos organizando nossa casa é enlouquecer com organizadores – de repente você está numa loja, comprando caixas lindas que você simplesmente P-R-E-C-I-S-A ter. E quando você chega em casa, ou 1) você não sabe exatamente o que colocar nas caixas, ou 2) você não tem onde colocar as caixas, ou pra frequentemente as duas coisas. Não é à toa que esse, digamos, equívoco, ocupa o primeiro lugar da lista de 6 erros de organização pra não cometer mais.

Em cursos de organização que já tive oportunidade de fazer, aprendi que nenhum organizador profissional começa o trabalho comprando organizadores. Aliás, não precisa nem fazer curso pra aprender isso – basta observar alguns episódios do Santa Ajuda, no GNT, pra ver que a Micaela Góes também segue essa linha. Primeiro, é preciso botar ordem na bagunça: decidir o que você precisa manter, o que será doado e o que vai pro lixo; depois você analisa o espaço que terá disponível; e só no fim você adquire itens organizadores, se precisar (muitas vezes nem é preciso).

Agora, se você já sabe o que é preciso organizar na sua casa, nesse post vamos falar dos principais objetos de organização, e como utilizá-los corretamente pra aproveitar o máximo do potencial de cada um!

 

Como usar organizadores - caixas

Caixas

Ah, as caixas… grandes, pequenas, transparentes, estampadas, de plástico, papelão, tecido. Tem pra todo gosto, e é justamente esse o problema. Não sei vocês, mas eu quando entro em uma loja que tem caixas, eu fico meio hipnotizada. Quero levar todas, porque tenho certeza que eu sempre vou ter alguma coisa pra guardar em caixas. Pode ser verdade, pois elas podem ser excelentes organizadores, quando utilizadas corretamente.

Proporção

Caixas pequenas são melhores pra guardar coisas menores; caixas grandes são melhores pra guardar coissa maiores. Faz sentido, não? Então, pense no que exatamente você quer guardar: relógios? Escolha uma caixa menor. Brinquedos grandes? Escolha uma caixa maior. Mantenha a proporção dos itens que você vai guardar em relação ao item organizador, e sua organização será bem mais efetiva.

Read more

curtiu? compartilha!

Como combinar vinhos e comida

Como combinar vinhos e comida - um infográfico bacana pra te ajudar a não errar mais nessa combinação!

Deixa eu começar esse post dizendo que eu não sou uma conhecedora de vinhos. Apesar de ser uma das minhas bebidas preferidas, eu nunca me preocupei a ponto de saber se um vinho tem “aromas terrosos” ou “finalização metálica” (acho incrível que as pessoas tenham olfato e paladar tão aguçados pra chegar nessas conclusões), ou se a safra de 2001 de tal vinho é a melhor. Eu sei o que me interessa: vinho doce me dá dor de cabeça e ressaca. Vinho seco pra mim é vida, inclusive quanto mais seco melhor, daquele que amarram a boca. Vinhos brancos, via de regra, são melhores quando resfriados. Sei algumas variedades de uva, porque foram vinhos que tomei e gostei, por isso guardei os nomes.

Mas eu também sei que existem coisas fáceis de aprender, e que pode não parecer, mas fazem diferença. Vou te dar um exemplo simples, fazendo uma analogia a comida (porque com comida tudo fica melhor): quando você pensa em um molho de macarrão que leve carne desfiada ou moída, em que molho você pensa?

(pensa rápido!)

Um molho vermelho, certo? E se a gente misturasse a carne com um molho branco? Não acho que ia ficar ruim, mas também não tenho dúvidas que com o molho vermelho fica melhor.

É assim que eu vejo as combinações entre as diversas bebidas, e as comidas: você, meu amigo, pode beber o que quiser e comer como quiser. Mas assim como você sabe que a carne combina melhor com molho vermelho, saiba também que alguns vinhos combinam melhor com certos tipos de comida.

Então eu dei uma pesquisada, porque muitos eu não conhecia, e fiz um infográfico malandro, malandríssimo eu diria, pra você salvar (de preferência no Pinterest, mas qualquer lugar serve) e tentar algumas combinações diferentes quando for receber pessoas em casa, ou mesmo pra tomar em família. No mínimo, você vai descobrir do que gosta mais ou gosta menos, e não vai mais ficar parado HORAS na seção de vinhos do supermercado sem saber pra onde olhar, ou o que levar (quem faz isso? eu? nunca!).

Infográfico - como combinar vinhos e comida

Bacana, né?

Você pode usar o infográfico de duas maneiras: se você já souber qual vai ser a comida que será servida para a galera, basta identificar o tipo de vinho correspondente. Pães e massas teoricamente combinam com tudo, porque são neutros e o sabor é geralmente determinado pelo que você coloca como recheio, ou como molho – então tome isso como referência. Ou você pode fazer o contrário: pegar algum vinho que você goste, ou tenha em casa, e preparar algo que combine.

Se você não conhece muito sobre vinhos e acha complicado escolher, saiba que você não precisa se preocupar muito. Inicialmente, ignore os países, se estiverem demarcados – mas tenha em mente que algumas variedades, tipo sangiovese, podem ser provenientes de países ou regiões específicas. Escolha entre branco ou tinto. Veja a variedade da uva (ou das uvas) no rótulo – o infográfico não tem todas, mas tentei identificar as mais comuns. Se o preço couber no seu bolso, pronto: está escolhido. Tome; se gostar anote o nome, e se não gostar, anote também – pra não correr o risco de comprar de novo. O que era simples, ficou ainda mais simples com as nossas dicas!

Ah, e o de sempre: beba com moderação, se beber não dirija, etc – mas isso você já sabe 🙂

Assinatura

Como combinar vinhos e comida - um infográfico bacana pra te ajudar a não errar mais nessa combinação!

curtiu? compartilha!

6 gatilhos emocionais que te fazem gastar mais

Sabia que há certas situações emocionais (ou "gatilhos") que fazem você gastar mais, sem perceber? Aprenda quais são esses gatilhos e não caia mais nessas armadilhas!

Digamos que, um dia desses, você está tranquilamente olhando seu Facebook, Instagram, Twitter, ou qualquer outra rede social. Entre um update e outro de amigos e parentes, aparece uma propaganda. É de uma loja que você gosta (sim, o Facebook sabe quase tudo sobre você, e foi você quem ensinou), com uma promoção que parece imperdível.

70% de desconto

só hoje

últimas peças

Você nem leu o resto direito, e já clicou pra saber mais. Está tarde, você está cansado, seu dia não foi legal, e fazer uma comprinha ou outra vai cair bem. Se essa propaganda tiver pego você na hora certa, a compra é também quase certa.

Parece familiar? Pois deveria. Quando juntamos gatilhos mentais (estratégias de marketing) com possíveis gatilhos emocionais, as lojas adoram; mas sua conta bancária, nem tanto. Mas hoje isso vai mudar, porque você vai aprender quais são os gatilhos emocionais mais comuns que te fazem gastar mais dinheiro, mesmo quando você não pode. Dessa maneira, mesmo que chovam propagandas e descontos, você saberá identificar o que está te levando a fazer aquela compra, e poderá parar antes que seja tarde.

Gatilho Emocional #1  – Tédio

Você sabe como é: está jogado no sofá, um domingo à tarde, de repente passa a oferta de um grill elétrico pela sua timeline. Você acha que pode precisar de um grill. Faz tempo que você quer começar a comer melhor, e um grill pode ajudar sujar menos seu fogão na hora de fazer aquele franguinho grelhado. Você está com preguiça demais pra pensar em qual o seu orçamento pra esse tipo de compra nesse mês – mas está disposto o suficiente pra levantar, pegar a carteira e informar o número do seu cartão de crédito.

Ou então, você está entediada em um sábado à tarde. Qual o melhor programa? Sair pra uma caminhada? Assistir um filme no Netflix? Não. Pra que fazer algo que seja grátis (ou pelo qual você já tenha pago), se você pode ir dar uma volta no shopping? Você jura pra si mesma que não vai comprar nada, mas você também sabe (todo mundo sabe) que shoppings foram feitos pra você gastar. Resultado? Você gasta.

Solução: pense antecipadamente em coisas que você pode fazer no seu tempo livre, ou quando estiver entediado. Tenha planos pra esses momentos. O objetivo é que, quando você pensar em sair pra fazer qualquer tipo de compra, você tenha outra coisa em mente.

Read more

curtiu? compartilha!

Como desamarelar panos de prato em minutos

Como desamarelar panos de prato em minutos

Sabe aqueles truques de limpeza que a gente vê por aí no Facebook e no Pinterest, que parecem bons demais pra ser verdade? Pois é, hoje vamos falar de um truque que eu demorei a tentar porque honestamente, parecia bom demais pra ser verdade – além disso, não confiava muito no método. Depois de ler alguns comentários de pessoas que testaram e funcionou, resolvi dar o braço a torcer, e tentar. Por que não? O máximo que ia acontecer era o microondas explodir, ou derreter tudo em cima de mim quando eu abrisse o microondas, coisa pouca.

Mas nada disso aconteceu, e o truque SUPER funcionou. Cola na gente que hoje você vai aprender um dos truques de limpeza mais eficientes e diferentes que eu já vi: como desamarelar panos de prato no microondas. Read more

curtiu? compartilha!

Praticando a bondade no ambiente de trabalho

Que tal tornar seu ambiente de trabalho menos pesado, mais animado e mais produtivo? Compartilhe essas dicas e espalhe a bondade onde você trabalha!

Você é bom no seu trabalho?

Não estou perguntando se você é competente, estou perguntando se você é bom – no sentido de bondoso, gentil.

“Mas isso não importa”, alguns irão dizer. “O que importa mesmo é se eu faço meu trabalho direito. Não importa se eu sou legal ou não.” Será? Será que a pessoa que diz isso acredita mesmo que isso é verdade? Porque eu não consigo acreditar.

Já trabalhei em lugares pequenos e grandes, com muita gente e com pouca gente, com chefes excelentes e outros que ainda estavam aprendendo como chegar lá. E como todo mundo, tinha dias piores e dias melhores. Mas não tenho a menor dúvida que ter colegas de trabalho com pensamento e atitude positivas mudam completamente o ambiente, pra muito melhor. Você pode ter uma dúzia de ranzinzas trabalhando com você – se tem um colega que é capaz de fazer todo mundo dar risada, a coisa muda de figura. O ambiente fica mais leve, e você trabalha mais animado. Eu já tive até colega que, do nada, jogava coisas por cima da divisória que separava nossas mesas: clipes, aviõezinhos e bolinhas de papel. Risada garantida.

Infelizmente muitas vezes somos pegos pela rotina, traídos pelo mau humor, e nos tornamos ranzinzas em vez de sermos positivos. Mas é muito fácil mudar isso, e influenciar positivamente seus colegas e seu ambiente de trabalho. Ser gentil não custa absolutamente nada, e pode fazer a diferença no dia de alguém, inclusive no seu – e aposto que você vai até chegar em casa mais animado.

Deixamos aqui 6 ideias super simples e fáceis de serem aplicadas – então chega mais que hoje é dia de bondade 🙂

 

1. Cuidado com as palavras

Ambientes de trabalho, como qualquer outro ambiente onde as pessoas se encontrem e passem tempo juntas, tendem a ser ambientes de socialização. Você acaba conhecendo melhor algumas pessoas do que outras, se identifica com algumas mais do que as outras, e tudo isso é normal – até chegar aquela pessoa que diz…

“Você ficou sabendo que fulano fez/falou algo assim e assim?”

E pronto. Você foi incluído, mesmo sem querer, no círculo das fofocas – que é um dos principais problemas de comunicação nos ambientes de trabalho. E a fofoca nem precisa ser pessoal, basta um comentário maldoso sobre o trabalho de alguém, ou o comportamento de uma pessoa em uma reunião, e daqui a pouco se forma um grupinho pra comentar.

Mas como hoje é seu dia de bondade, você vai cuidadosamente se afastar desse tipo de coisa. Qualquer tipo de comentário ou fala que diminua outra pessoa vai passar longe de você. Você só quer ouvir – e principalmente, falar – coisas boas. Fofoca só existe porque tem quem a escute.

Seja a pessoa que não tem ouvidos pra coisas ruins.

Read more

curtiu? compartilha!

aplicativo: Medisafe – Lembrete de Medicamentos

Não sei vocês, mas eu não conheço nem uma única pessoa adulta que não tome nenhum remédio no seu dia-a-dia. Fico em dúvida se isso é bom ou ruim, pra ser sincera: atualmente temos mais medicamentos disponíveis pra tratar as mais variadas doenças, mas também ficamos muito doentes. Em todo caso, quando nos propomos a nos cuidar e fazer qualquer tratamento medicamentoso, precisamos seguir as instruções corretas pra cada medicamento. E é isso que o aplicativo de hoje, o Medisafe, se propõe a fazer: nem você, nem ninguém mais da sua família (estando perto ou longe) vai se esquecer de tomar os remédios certos na hora certa.

De todos os aplicativos que já falamos aqui na casa (você pode ver todos na Categoria: Tecnologia), com certeza o Medisafe é o que eu uso há mais tempo, e já recomendei pra muita gente. Mal consigo acreditar que ele seja um aplicativo grátis, porque as funcionalidades são muitas; mas ao mesmo tempo é bem intuitivo e fácil de usar. Logo de cara ele vai te falar pra adicionar um medicamento (afinal, é pra isso que ele serve):

Medisafe - o aplicativo que gerencia seus remédios

Read more

curtiu? compartilha!